ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA IGUAÇU X ATLÉTICO PARANAENSE – 1972 – O INÍCIO DA GRANDE RIVALIDADE

ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA IGUAÇU X ATLÉTICO PARANAENSE – 1972 – O INÍCIO DA GRANDE RIVALIDADE

Coisas da bola

Coisas da bola são relatos de fatos vividos por mim, histórias contadas por amigos e outros frutos da minha imaginação.

Qualquer semelhança será puro acaso.

“Jair da Silva Craque Kiko”

Essa matéria, mais aprofundada, fará parte do livro sobre a história da Associação Atlética Iguaçu que deverá ser lançado nesse ano pelo Craque Kiko.

ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA IGUAÇU 02 X 04 CLUBE ATLÉTICO PARANAENSE –  05/03/1972

Prenunciando o que aconteceria nas arquibancadas do Estádio da Caixa D’água, a fuzarca já começou no sábado que antecedeu ao confronto. Vários torcedores soltaram rojões até de madrugada em frente ao hotel onde a delegação do Atlético estava hospedada não deixando os atletas dormirem. As provocações passaram para o lado de diretores das duas equipes, que em frente do Lux Hotel quase foram às vias de fato. Só não deu briga corporal porque o diretor do time da capital pipocou e correu. Também um veículo corcel que circulava pelo centro das cidades de Porto União da Vitória com uma bandeira do Atlético, teve a sua antena quebrada e a bandeira arrancada. Como esperado, tal rivalidade foi levada para as arquibancadas, pois ambas as torcidas trocaram ovos e um torcedor atleticano foi jogado da arquibancada quando o pau comeu solto, sendo que muitos torcedores, de ambos os lados, saíram com o lombo ardido de tanto levar pancadas dos paus das bandeiras. O pior do desfecho foi durante a partida com a grave contusão do atleta atleticano Lori que teve uma fratura no perônio.

Se por um lado os boleiros atleticanos não conseguiram dormir na véspera do embate devido a arruaça dos torcedores, os boleiros iguaçuanos também não dormiram porque foram liberados pelo novo treinador, Rui de Souza (assumiu o comando da equipe na sexta-feira) para participarem de uma festa e, vários deles encheram os cornos da mardita cachaça. Com essa atitude, o treinador, na segunda-feira, foi posto em viagem a toque de caixa…

Dentro das quatro linhas, principalmente na primeira etapa, o Fantasma da Fronteira não reeditava atuações anteriores e levou um passeio de bola, tanto é, que o placar parcial foi de 03 a 00 para o Furacão. O time da capital morou na área iguaçuana, onde o setor defensivo parecia sonâmbulo e errava muito, principalmente pelo lado esquerdo, onde o ponteiro Buião fazia um carnaval em cima do lateral esquerdo Santos. O quadro de Curitiba não fez mais gols por pura sorte do elenco iguaçuano.

Com a entrada dos atletas Rotta e Lourival no segundo tempo, mudou a postura do time  do Iguaçu e, talvez por terem tomado uma bronca no vestiário, a boleirada acordou e equilibrou as ações. Com movimentações constantes e rápidas, Lourival fez dois gols. Também no segundo tempo o Atlético fez mais um gol e, destaca-se o aumento de produção do avante iguaçuano Jorginho após passar a atuar pelo miolo de ataque. Pode-se dizer que no mesmo jogo tivemos vitórias distintas: A primeira foi a vitória do Atlético por 03 a 00 na primeira metade. A segunda foi a vitória do Iguaçu por 02 a 01 na segunda etapa. O placar final ficou 04 a 02 para a equipe da capital paranaense.

Por ser uma torcida fanática e quente e, que acompanha o time do Clube Atlético Paranaense em todo o estado, tenha sido o principal ingrediente da rivalidade que começara a partir desta partida, tanto é, que em todos os enfretamentos futebolísticos entre Atlético e Iguaçu, sempre acontecem desfechos negativos como brigas e até óbito, como aconteceu no ano de 1976 em um confronto no Estádio Enéas Muniz de Queiroz.

Ficha técnica do prélio:

A.A.Iguaçu  2 x 4 Clube Atlético Paranaense

Estádio do Ferroviário – 05/03/1972

Árbitro – Eraldo Palmerine

Auxiliares: Orlando Antunes de Oliveira e Adalberto Ferreira

Renda – Cr$ 30.959,00  (recorde de renda)

A.A. Iguaçu

Jorge, Bugrão, Nire, Zé Mário, Santos, Dito Cola, Índio (Rotta), Jorginho, Joaquim, Kide e Duda (Lourival).

Clube Atlético Paranaense

Picasso, Cláudio Deodato, Di, Alfredo, Júlio, Sérgio Lopes, Valtinho (Lori- Mazolinha), Buião, Sicupira, Tião Quelé e Nilson.

Anormalidade: Em um jogada dividida com Joaquim, o meia canha Lori que entrara no lugar de Valtinho sofreu uma fratura no perônio.

Compartilhe Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+

Comente pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>